+ Isa Land: Dezembro 2006

Isa Land

"Deus nos concede, a cada dia, uma página de vida nova no livro do tempo. Aquilo que colocarmos nela, corre por nossa conta." (Chico Xavier)

A minha fotografia
Nome:
Localização: lisboa, Portugal

Uma mulher com muitas virtudes e alguns defeitos. Bem disposta por natureza... mas se me irritam muito... saiam debaixo. Vou aonde o coração me levar... Sou sportinguista... Enfim boa pessoa!!!

sábado, dezembro 30, 2006

E assim acabou o ano


Um ano velho, cansado, desejando que chegue as 24h do dia 31 de dezembro, para se retirar definitivamente. Muda a folha do calendário, muda o mês, muda o ano. Nasce um bébé (o ano novo) no qual depositamos todas as expectativas, todos os desejos, todos os sonhos e ambições. Não vou reflectir sobre o que se passou este ano. Tanta coisa ficou por fazer, tanta coisa ficou por dizer, tanto amor ficou por amar... Era bom se pudesse fazer desaparecer todos os problemas e angústias, mas infelizmente terão que transitar de ano comigo.. Porque desejamos sempre um ano prospero e feliz se continua tudo igual? De qualquer maneira, para os meus amigos, (eles/as, sabem quem são) para a minha familia (minha mãe em particular) para as minhas colegas de trabalho (aquelas duas meninas que têm uma pachorra enorme para as minhas más disposições) para a menina dos meus olhos (a minha cadela Pantufa) e para todos os que por aqui passam: Que o ano que vai entrar seja mais iluminado.
Um grande beijo a todos e até 2007.
Isabel

quarta-feira, dezembro 20, 2006

A todos


A todos um feliz natal. Especialmente aos que se sentem mais solitários, aos que mais sofrem, aos que não têm um doce para comer. Era bom que houvesse uma estrela que iluminasse a terra.
Um beijo a todos/as.
Voltarei depois desta época passar.
Isabel

Vestida de negro

Vou vestir-me de negro
Tenho a alma de luto
Um luto bem pesado
Vou vestir-me de negro
Tão intensa é a minha dor.
Alma negra, alma negra
porque sofres assim?
Adormeçe, que depressa
depressa passa esta época
Isabel

terça-feira, dezembro 19, 2006

Deus


"Deus costuma usar a solidão
para nos ensinar sobre a convivência.
Às vezes, usa a raiva,
para que possamos compreender
o infinito valor da paz.
Outras vezes usa o tédio,
quando quer nos mostrar a importância da
aventura e do abandono.
Deus costuma usar o silêncio para nos
ensinar sobre a responsabilidade
do que dizemos.
Às vezes usa o cansaço,
para que possamos compreender
o valor do despertar.
Outras vezes usa doença,
quando quer nos mostra
a importância da saúde.
Deus costuma usar o fogo,
para nos ensinar sobre água.
Às vezes, usa a terra,
para que possamos compreender o valor do ar.
Outras vezes usa a morte
quando quer nos mostrar
a importância da vida".

(Fernando Pessoa)

Arrependimentos


" As quatro coisas que não voltam para trás:
A pedra atirada, a palavra dita,
a ocasião perdida, e o tempo passado ".
Velho ditado, mas eu não aprendo... Sou impulsiva, impulsiva demais e daí a palavra proferida. Quantas vezes gostaria voltar atrás? Outras vezes deixo a vida passar por mim, sem a agarrar com unhas e dentes. Vivo ao sabor das marés. Já não tenho idade para isso... O tempo.. esse velho conhecido que vai marcado o meu rosto, o meu corpo, o meu caminhar. Se voltasse atrás como num passe de mágica, e me fosse dada nova oportunidade.. Ah como seria diferente... Mas devo resignar-me com o presente? Ainda a tempo de modificar coisas que me desagradam? Hum... Acho que disto não passo... Não aprendo com as tareias da vida! Ou aprendo? Sim, pouca coisa mas a maturidade vai chegando... Mais clareza... Às vezes...
Sim e não, os eternos opostos das decisões.
Isabel

segunda-feira, dezembro 18, 2006

Tristeza escondida


Mais uma noite em que não consigo dormir. Eu tento brincar, rir, mas não consigo. A angústia tomou conta de mim. Não quero fingir mais o que não sinto. É terrivel sentir-me só. É devastador! Nem o simples facto de ser natal me alegra. Apesar de ter enfeitado a casa, minha alma não o aceita. Pela carga simbolica e pela educação católica que tive, deveria sentir-me feliz pelo nascimento do Menino. Mas não consigo... Nesta altura do ano tudo se acentua: os sofrimentos por que passei. (e não foram tão poucos como isso...) Por outro lado a falta da minha familia, a falta de alguém que me dê carinho, a falta da isabel antiga, a falta de ter gosto pela vida. À uns tempos atrás disseram-me que no lugar do meu coração estava um bloco de gelo. É certo que não consigo gostar de ninguém. Refugio-me cada vez mais em casa. Que se passa comigo? Que hei-de fazer? Não queria tornar-me assim tão amarga. Mas não consigo ultrapassar este feitiço que me lançaram... Só sei que me sinto terrivelmente só. Só mesmo no meio de uma multidão.
Isabel

Viver


Já perdoei erros quase imperdoáveis,
tentei substituir pessoas insubstituíveis
e, esquecer pessoas inesquecíveis.
Já fiz coisas por impulso,
Já me decepcionei com pessoas
quando nunca pensei me decepcionar,
mas também decepcionei alguém.
Já abraçei pra proteger,
Já dei risada quando não podia,
Já fiz amigos eternos,
Já amei e fui amado,
mas também, já fui rejeitado,
Já fui amado e não soube amar.
Já gritei e pulei de felicidade,
Já vivi de amor e fiz juras eternas,
mas "quebrei a cara" muitas vezes!
Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
Já liguei só para escutar uma voz,
Já me apaixonei por um sorriso,
Já pensei que fosse morrer de tanta saudade
E, tive medo de perder alguém especial
(e acabei perdendo) Mas sobrevivi!
E ainda vivo!

Chaplin

domingo, dezembro 17, 2006

Auto retrato


No retrato que me faço
traço a traço
às vezes me pinto nuvem,
às vezes me pinto árvore...
Às vezes me pinto coisas
de que nem há mais lembrança...
Ou coisas que não existem
mas que um dia existirão...
E, desta lida, em que busco
pouco a pouco, minha eterna semelhança,
no final, que restará?
Um desenho de criança...
Corrigido por um louco!

Mário Quintana

sexta-feira, dezembro 15, 2006

Dedicado aos meus amores

Eu gostava de olhar para ti
E dizer-te que és uma luz
Que me acende a noite
Me guia de dia e seduz
Eu gostava de ser como tu
Não ter asas e poder voar
Ter o céu como fundo
ir ao fim do mundo e voltar
Eu não sei o que me aconteceu
Foi feitiço!
O que é que me deu?
Para gostar tanto assim
de alguém como tu.
Eu gostava que olhasses
Para mim
E sentisses que sou o teu mar
Mergulhasses sem medo
Um olhar em segredo
Só para eu te abraçar
Eu não sei o que me aconteceu
Foi feitiço!
O que é que me deu?
Para gostar tanto assim
De alguém como tu...

André Sardet

Dedicado aos dois amores da minha vida:

Minha Mãe e minha cadela Pantufa

Carta ao Pai Natal

No meu tempo escrevia-se ao menino Jesus, hoje é ao pai natal (modernices)
Vou começar.
Querido Pai Natal: Quero uma caixa de costura. Não, não é para costurar um vestido lindo. É mesmo para cozer a boca!!! Preciso de emagrecer... Quero um fio de ouro grosso, grosso, uma pulseira e um anel (daqueles com um enorme brilhante que se coloca no dedo mindinho, um cachucho) Sim, para me chamarem de bimba. Quero uma vivenda com piscina e jardim (daquelas com muros altos para ninguém se atrever a espreitar, por causa dos paparazzi, sim claro que sou famosa) Pelo menos no meu prédio todo a gente me conheçe! Para já não me recordo de mais nada... Paz no mundo? Que ninguém passe fome? As crianças e os velhos abandonados? A união entre povos? Mas oh pai natal, tu deves ser surdo, todos te pedem isso e tu nada....
Não, isso não deve ser importante...
Isabel

Pantufa




Como sei que a minha dona, até nem aprecia a época natalicia, e como todo o mundo só sabe falar do natal. Ele é natal para a esquerda, natal para a direita, natal para aqui, natal para acolá, natal, natal. Enfim... Resolvi falar de mim!!! Oh eu aqui, tão jovem que era... A armar-me em engraçadinha... Tinha meses... Já era tão linda!!! ( Se eu não me gabar. quem o fará?) Andei a cuscar uns albuns antigos... E tenho mais guardadas, mas não as posso mostrar todas senão a minha dona diz que lhe roubei o blog... Acha paciência para a aturar, ela agora anda chata. Pudera é o natal... Vês dona, gostas-te? É a minha prenda de natal para ti!

(ai o que fui dizer.. natal.. upssss)
Pantufa

terça-feira, dezembro 12, 2006

Parabéns Alex

Olá Nina. O que me obrigas a fazer... Não me deitei para à meia noite te dar os parabéns!!! E olha o friozinho que tá... E a minha camita, os meus lençois térmicos, o meu edredon, aqui ao pé de mim, a chamarem-me... Mas tu mereçes!!!! E como és boa rapariga, aqui vai: PARABÉNSSSSS. PARABÉNS, PARABÉNS. O que te posso desejar? Que sejas feliz! Que a vida te faça sorrir, muito mais que chorar, que realizes os teus sonhos. Um beijo do tamanho do mundo.
Isa

Amanhã...

Quem faz aninhos amanhã??? Quem é???
Eu dou uma ajuda: O nome começa por A...
Acaba em A...
E adora a Pucca!!!
Amanhã dou a resposta...

Quando o telemóvel toca

O telemóvel toca. No visor não reconheço o número. Quem será a melga? Hum... -Tou? -Boa tarde, é a D. Isabel? -Sou sim. -É para marcar o exame médico... fala da firma... -Ah, ok! -Disseram-me que demorava 3 meses, mas já lá vai meio ano! -D.Isabel há 2 meses que ando a tentar entrar em contacto consigo e nunca atendeu o telemóvel!!! -Eu? Sério? Não acredito!!! E ri-me. Do outro lado da linha também houve uma gargalhada. Agora quando atendeu o telemóvel até me deu uma coisinha (risos) , podemos marcar para 5ª feiras às 20h? -Ok, mas não me vai mandar para a cama a essa hora pois não? (Mais risos de ambos os lados) -Não, mas às 23h30 mando. (Risos) E blá blá, blá blá, gargalhadas, blá blá, blá blá, gargalhadas e mais blá blá. Eu: diga-me com quem estou a falar? -Com o DR.... Uppppsssss (Doutor, e eu na brincadeira) Então nova gargalhada!!! Há muito tempo que não falava com um homem com tão grande espirito de humor. Divertido e pelos vistos despretencioso. Ri-me com gosto. Fiquei com uma curiosidade desgraçada acerca dele.
Quinta feira vou conhecer o Dr....
Isabel

domingo, dezembro 10, 2006

História de encantar

Hoje tive um sonho, um dos mais bonitos que já tive. Era criança, meu pai lia-me uma história de encantar, deu-me um beijo (acho mesmo que o senti), aconchegou-me a roupa e disse-me: sonhos côr-de-rosa, minha querida, até amanhã... Acordei com o cheiro e a presença do passado. Um tempo inesquecível, onde eu era feliz. Um tempo cheio de cumplicidade. Desde que ele morreu (à 12 anos) custa-me suportar esta época. Se natal é a reunião da familia, a minha está incompleta e isso revolta-me. Mas hoje acordei diferente. Vou enfeitar a casa. Tirar o presépio e a árvore de natal da despensa. Até as luzinhas irão brilhar. Ao fim e ao cabo ele estará a meu lado, né? E sei que adorava esta altura do ano. Espero ter mais sonhos destes.
Acordo diferente, com mais vontade de viver.
Isabel

sábado, dezembro 09, 2006

Libertação

Preciso de me libertar. Preciso de voar mesmo sem asas. Preciso que minhas mãos indiquem o caminho que a minha alma planeia. Será em vão? O tempo vai decorrer, muitas coisas acontecerão. Sinto-me acorrentada a este corpo. Quereria tanto libertar-me... Minhas mãos, onde estão? Ajudem-me.... Abrir as asas e voar. Voar, voar, sobre vales e planicíes, ser companheira de águas de um rios tumultosos.Seguir as forças da natureza. Envolver-me num tornado e rodopiar em ventos fortes, poderosos. E, por fim, descansar.
Serenar meu corpo...
Isabel

sexta-feira, dezembro 08, 2006

Teu tempo já passou...

Ninguém te amou como eu te amei
Ninguém te aceitou como eu te aceitei
Ninguém te compreendeu como eu te compreendi.
Não aceitas-te o meu amor
Agora é tarde demais.
Não vais encontrar
Ninguém que te ame tão ternamente
Como eu...
Não procures, pois não encontrarás ninguém,
Nunca, com o meu jeito
Agora, meu amor, não chores por mim.
Não me sintas a falta.
Agora é tarde demais para ti, meu amor.
O teu tempo já passou
Isabel

quarta-feira, dezembro 06, 2006

Há um tempo

Há um tempo em que é preciso abandonar
as roupas usadas
que já não têm a forma do nosso corpo
e esquecer os nossos
caminhos que nos levam
sempre aos mesmos lugares...
É o tempo da travessia
e se não ousarmos fazê-lo
teremos ficado... para sempre...
à margem de nós mesmos...
Fernando Pessoa

Natal

(foto retirada da revista Certa nº 85)
Já que anda com a euforia das compras de Natal, e não está com aquele tempinho desejado para o seu melhor amigo, não se esqueça de lhe dar um mimo especial nesta altura! Ele(a) sabe que algo se passa de diferente, e você não se vai atrever a deixá-lo de fora, né? Já pensou na alegria dele(a) quando o ajudar a abrir as prendas? Eles têm mais sentimentos que muitas pessoazinhas por aí! (Eu já tenho três peluches embrulhados para a minha menina...)
Isabel