+ Isa Land: Abril 2006

Isa Land

"Deus nos concede, a cada dia, uma página de vida nova no livro do tempo. Aquilo que colocarmos nela, corre por nossa conta." (Chico Xavier)

A minha fotografia
Nome:
Localização: lisboa, Portugal

Uma mulher com muitas virtudes e alguns defeitos. Bem disposta por natureza... mas se me irritam muito... saiam debaixo. Vou aonde o coração me levar... Sou sportinguista... Enfim boa pessoa!!!

domingo, abril 30, 2006

Adeus Abril

E lá vai mais um mês embora, regressando para o ano... Abril leva consigo, a Páscoa, as amêndoas, a festa da ressurreição, (para os católicos) a revolução dos cravos. Foi um mês com menos dias de trabalho, o que fez a delicia de alguns. Maio está ai prontinho a entrar! Trás com ele o dia do trabalhador, o dia da mãe (embora eu continue a preferir o dia 8 de Dezembro, dia de N. Senhora da Conceição, Padroeira de Portugal).
Os dias começam a ficar quentes,
apetece aquela praiazinha....
E agora, amigos, encontramo-nos em Maio.
Isabel

sábado, abril 29, 2006

As Minhas Receitas

Ingredientes:
500g de puré de maça
4 folhas de gelatina incolor
sumo de 1 limão
raspa de meio limão
2 claras
Descasque as maçãs, descaroce-as e corte-as em pedaços. Coza-as durante cerca de 3 minutos e reduza-as a puré.
Demolhe a gelatina em água fria. Leve ao lume, em banho-maria, o sumo e a raspa de limão. Esprema a gelatina, dissolva-a no sumo e retire do lume. Acrescente o puré de maçã e mexa bem. Bata as claras em castelo e envolva-as cuidadosamente no creme. Transfira para uma forma de pudim e leve ao frigorifico até ao momento de servir. Enfeite com pequenos suspiros (à venda em pacotes)
Como podem calcular, gosto de doces de maçãs, já vos dei a receita do bolo, da mousse e agora do pudim. Para a próxima dou-vos paladares mais docinhos.
Isabel

Gordos, Magros e Assim Assim

Não. Não vos venho falar de pesos, alturas ou larguras. Nem tão pouco de dietas! Venho falar de sentimentos. Há individuos gordos em emoções, em bem querer, com um coração enorme, sempre dispostos a ajudar os outros. Amam o próximo simplesmente. Depois temos o oposto: Os magros. Seres mesquinhos, intolerantes, racistas, sem amor próprio. Sempre de espada em riste para apunhalarem o "inimigo" na primeira oportunidade. Pobres de espirito! Por fim, os assim assim. Um misto dos dois, levando a vida da melhor maneira. Sem fortes convicções, vão pendendo na balança para o lado que mais lhes convém. Qual o melhor e o pior? Não estou aqui para julgar, nem sou ninguém para o fazer. Mas qual trará mais bem estar para connosco próprios? Nem burros, nem espertos
mas sejamos sábios!
Isabel

Pantufa

E mais um mês passado... E como tal, tinha que vos vir dizer que me "portei" muito bem. Lá fui todas as semanas visitar a minha veterinária (Drª Isabel) fazer as análises, e os resultados foram sempre óptimos. Ainda ouvi dizer: "nunca pensei que ela tivesse reagido tão bem! É uma vitoriosa! Tomara eu, que todos os cães que têm o mesmo problema, reagissem como ela, e mais a mais com a idade que já tem!" (vou fazer 14 anos em Setembro) Claro que eu fingi, não entender que falavam de mim. Sorri interiormente. Foi um milagre de amor da minha dona e por isso estava escrito que ainda não era altura de a deixar.
Até à próxima
Pantufa

Bem me Quer

Bem me quer, mal me quer
Muito, pouco ou nada.
Vem sempre o dia em que nos preocupamos com o que alguém sente por nós. Um amigo, um vizinho, um amor. Por vezes há acções que substituem palavras, falam por nós, mas o efeito é diferente, muito diferente se ouvirmos! É sonante, pode encher-nos o ego. Perguntar directamente à pessoa? Nem pensar! Não é fácil, e se formos mal interpretados? Porque não dizemos o que na realidade pensamos, ou o que sentimos? Vergonha? Receio? Mas ao menos não precisavamos desfolhar malmequeres para nos pormos a adivinhar...
Bem me quer, mal me querer
Muito, pouco ou nada...
Isabel

Pessoas intrometidas

Há pessoas muito intrometidas...
Nunca, no seu dia a dia se deparou com alguém
que começa a maioria
das suas frases por:
"Eu acho que"
"É a minha opinião"?
Mesmo sem nada perguntar-mos...
É... Isto também se chama
de prepotência, arrogância.
Não se pode comparar com personalidade forte, não!
É mesmo gostinho se meter onde não é chamado!
É não saber, parar, escutar, ouvir...
Não se pode comparar
com sabedoria nem inteligência!
Ficam muito aquém... São limitadas.
Será uma maneira de se imporem?
Por mim, passo ao lado, são-me indiferentes!
Então porque escrevo sobre elas?
Para você, que está a ler isto, reconhecer,
quando lhe aparecer na vida um:
"Eu acho que" ou
"É a minha opinião"
Isabel

sexta-feira, abril 28, 2006

Chorar, sorrindo

Uma luz intensa brilha no meu olhar, aparentando um olhar sempre feliz. Mas será essa felicidade verdadeira? Não haverá, no fundo desse aspecto sorridente, desgosto, angústia, ou até mesmo desespero? Por debaixo dessa carapaça de força, luz e harmonia, sinto-me prisioneira do meu corpo. Tenho medo de mostrar o que sinto. E é por isso que este sorriso que aparenta ser feliz, na verdade não o é. Apetece-me gritar e chorar!
Mas continuando sempre a sorrir...
Todos estão habituados a verem-me sorrir...
E por dentro, choro...
Choro porque não consigo chorar...
Isabel

O mar que navego

"Neste mar que navego
Sou onda inversa
Não ouço mais o vento
Nem o cantar dos pássaros
Viajo no tempo
Contando migalhas
Do que ainda resta
Na memória desgastada
Pelo tempo e sofrimento.
No mar que navego
Sou prisioneira
Sem algemas.
Vou seguindo a escuridão
Que me cerca
Por todos os lados
E estreita em braços
Tão fortes que parecem
Laços que me fazem posse.
No mar que navego
Sou barco solitário
Sem rumo sem prumo.
Não tenho destino
Só o desatino
De uma garganta estéril
Sem palavras e fantasias..."

Queria...

Queria olhar em frente e ver o futuro
Queria que a minha alma não chorasse
nem sentisse dor.
Queria um mundo de certezas e alegrias.
Queria adivinhar o futuro!
Queria que todos me olhassem
e vissem minha alma sorrindo
Queria saber o que Deus quer de mim!
Queria alegrar os que choram.
Queria respostas para todas as perguntas!
Queria abraçar quem se sente só.
Com certeza não tenho o que quero, o que desejo
Mas tenho o que Deus me quer dar...
Isabel

Verdades...

Palavras


Hoje sou palavras nas notas de um caderno
de uma caneta solta, sem som...
Apenas rabiscos de um poema inacabado,
onde as palavras não chegam...
Onde a música não toca...
Apenas o luar que ilumina o silêncio...
(Desconheço o autor)

terça-feira, abril 25, 2006

Carinho

Porque é muito mais que palavras...
Porque é muito mais que gestos...
Porque é muito mais que momentos juntos...
È sentimento que explode no peito
Que queima a alma
Que aquece o coração.
E todos sabemos que é preciso
Muito mais que palavras...
É preciso deixar falar o coração!
Isabel

Revolução dos Cravos


24 de Abril às 22.55h. Transmissão da canção "E depois do Adeus", interpretada por Paulo Carvalho, marca o início das operações militares contra o regime.
25 de Abril às 00.20h. "Grândola Vila Morena" de José Afonso, é a senha escolhida pelo MFA, como sinal confirmativo de que as operações militares estão em curso e não podem voltar a trás.
Foi derrubado o regime político que vigorava em Portugal, desde 1926, sem grande resistência das forças leais ao governo, que cederam perante o movimento popular que rápidamente apoiou os militares. A revolução foi conduzida pelos oficiais (capitães de Abril) que, na sua maioria tinham participado na guerra colonial. E o povo saiu à rua... Transformando o cravo no símbolo desta revolução. O povo começou a distribuir cravos vermelhos pelos soldados que depressa os colocaram nos canos das espingardas. (Hoje o cravo está associado aos partidos de esquerda) O 25 de Abril foi um marco histórico. Graças a ele temos o bem mais precioso: Liberdade de expressão. (Dificil estas gerações mais novas entenderem). O passado é história e o futuro cada vez mais futuro. Que viva o 25 de Abril, obrigado pela liberdade, mas vamos ao futuro!E vocês mais jovens, serão o futuro deste País.
Isabel

domingo, abril 23, 2006

Falar de Amor

Como posso falar de amor, se não estou apaixonada? Ou seja, amo a vida, não amo nenhum homem. Nem tenho pressa de ter a quem amar. Mas, hoje, me deu saudade de poder abraçar, de me deixar envolver, de amar, de beijar. Hoje, eu, queria sentir o calor de uns braços em meu redor, ver um rosto. Mas eu sei que o amor um dia virá e irá trazer consigo alegrias, flores perfumadas e champagne.
Hoje eu queria falar de amor...
Isabel

In(decisão)

Eu decidi, está decidido! Claro que foi bem pensado! É lógico! É evidente! Sinceramente, só pode ser assim mesmo! Mas... Pensando bem... Pensando melhor... E, se? Não! Já está decidido! Voltando um pouco, só um pouquinho atrás... Se calhar até não será o ideal. E se repensasse um pouco? Deixa cá ver... Pois, acho que decidi cedo demais. Realmente precipitei-me! E agora? Tenho que resolucionar tudo novamente. Sim, agora sei! É assim mesmo! Como não pensei isto logo á primeira? Voltar atrás não faz de mim vira-casacas! Mas... espera lá!!! Também não estava assim tão má a primeira hipotese... E sento-me frustrada, derrotada. Deixo o corpo cair, literalmente no velho sofá. A cabeça gira a mil, a testa não pára de latejar. Já não tenho forças para lutar contra mim própria...
Que in(decisão).
Isabel

Ventos e Ciclones

Começou por ser uma suave brisa. Sabia bem. Refrescava o rosto e a alma. Ao longe uma pequena nuvem flutuava na atmosfera. Olhando para a direita, reparei que outra nuvem se aproximava, juntando-se-lhe sorrateiramente. Esfreguei os olhos, será que estava a ver bem? Daquele lado o céu estava a ficar coberto de nuvens escuras. Mas que raio... Donde vinham? Furiosamente agrupavam-se formando um cogumelo gigante. E o vento que originalmente me tocava no rosto com suavidade, como que a pedir desculpa, castigava-me agora, surgindo em todos os ângulos, empurrando-me ameaçadoramente e sem escrúpulos. Mal conseguia abrir os olhos, mal conseguia andar. A chuva surgia grossa com intenção, não de semear a terra mas de a devastar, de transformar um simples riacho num mar de devastação. Estava sem saída! Onde me proteger de tal impacto..
Meu Deus, ajudai-me!
E aí acordei... Assustada... Transpirada...

Que alivio!.. Foi só um pesadelo...
Isabel

O Mundo é redondo?


Aprendi na escola que o mundo é redondo com os pólos achatados. Deve ser verdade... Por isso se diz: voltas e voltas à vida. Será? Se a terrra é redonda e gira sobre si própria é porque andamos às voltas... Mas e se o mundo fosse plano? Onde começaria e acabaria? Talvez como nos mapa mundi... E porque nos falam dos quatros cantos do mundo? Então é porque, afinal, o mundo é plano? Então se estivermos à beira do mundo poderemos cair... Haverá lá sinalização para os barcos, para os aviões, etc...?
Pensamentos doidos....
Isabel

Dia Mundial do Livro

Desde 1996 por decisão da Unesco a 23 de Abril dia de São Jorge, é celebrado o Dia Mundial do Livro. Esta data foi escolhida para honrar a velha tradição catalã, segundo a qual, neste dia, os cavaleiros oferecem às suas damas uma rosa vermelha de São Jorge e recebem em troca um livro. Um livro é passaporte para o futuro. Podem ser fragmentos das nossas memórias. Pode ser a nossa única companhia. Com um livro, viajamos, rimos, choramos. Um livro é sabedoria! Um livro é aprendizagem!
Um livro é sonho!
Isabel

sábado, abril 22, 2006

Frase

Saudade é...

Saudade é solidão acompanhada, é quando o amor ainda não foi embora, mas o amor já... Saudade é amar um passado qua ainda não passou, é recusar um presente que nos machuca, é não ver o futuro que nos convida... Saudade é sentir que existe o que não existe mais... Saudade é o inferno dos que perderam, é a dor dos que ficaram para trás, é o gosto de morte na boca dos que continuam... Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudades: "Aquela que nunca amou" E esse é o maior dos sofrimentos. Não ter por quem sentir saudades, passar pela vida e não viver...
Pablo Neruda

Persistência

Será que devemos correr sempre atrás de nossas convicções, dos nossos sonhos? Deveremos, insistir, persisitir, fazer disso um campo de batalha? Um dia, realmente poderemos conquistar o ambicionado "troféu" alcançar o pretendido, mas até que ponto deveremos lutar tanto assim? O que perderemos pelo caminho? Quantas pessoas iremos atropelar? Seguir cego e surdo. Sem olhar fins e meios... Há demasiadas pessoas assim neste mundo. E depois admiram-se de no fim se encontrarem sós. Completamente sós... Eu, meus amigos, vos garanto que destas pessoas.. Eu fujo!!! Mas agora, se estivermos a falar de amor.... Oh lá lá... É capaz de ser um bom conselho... Nada como demonstrar efectivamente o que desejamos, o que queremos. Porque aqui entra as emoções à flor da pele, entra o sangue a fervilhar, entra o desejo... E perdemos a cabeça. Mas depois de conquistado em quanto tempo se perde o interesse? Por isto tudo, eu não me preocupo muito, e vou vivendo bem assim...
Isabel

sexta-feira, abril 21, 2006

Ponto de Cruz



Jardins de inverno
assim se chama
a minha "obra de arte"
Mais dois quadros
que decoram as paredes
de minha casa.
Próximamente vos darei
o outro a conhecer.
Vaidosa? Evidentemente...
Quem não gosta de dizer:
Eu é que fiz!!!

As Minhas Receitas

Doce da Isa
1 lata leite condensado
4 folhas de gelatina
2 pacotes de natas
4 claras
Bate-se as claras em castelo bem firme. Demolhar as folhas de gelatina num pouco de água. Bater as natas muito bem, adicionar o leite condensado em fio mexendo sempre, juntar a gelatina. Por fim envolver as claras suavemente. Colocar numa taça grande de vidro (ou várias mais pequenas).
Enfeitar com bolacha picada, nozes ou mesmo finas fatias de fruta.
Vai para o frigorifico até á hora de servir
Um doce fácil de confeccionar, e guloso.
Espero que gostem.

quinta-feira, abril 20, 2006

Frase da Semana

Castelos de Areia


Compreendi que tudo em nossas vidas,
todas as coisas que gastam tanto do nosso tempo
e da nossa energia para construir,
tudo é passageiro, tudo é feito de areia;
o que permanece é só o relacionamento
que temos com as outras pessoas.
Mais cedo ou mais tarde, uma onda virá e destruirá
ou apagará o que levamos tanto tempo para construir.
E quando isso acontecer,
somente aquele que tiver as mãos de outro alguém para segurar,
será capaz de rir e recomeçar ...

Poema

A mão silenciosa escreve
palavras grávidas de sonhos
Letras perfumadas de sorrisos
com sabor de âmbar
O coração apaixonado
tem sede de poetar
Quer espalhar ternuras
e sair a cantar
Na calçada das ilusões bailar
Cirandar com os versos e as rimas
e o barco do destino guiar
Quer a lua namorar
e com a poesia brincar
Quer deixar a alma em letargia
Acreditar nas fantasias
e no poder do verbo amar
Para o mundo gritar
que o tempo é de sonhar
Com as estrelas se banhar
e a vida iluminar
Beber no cálice das utopias
e levitar
Nos braços do seu amado ficar
O paraíso encontrar
No berço da felicidade
seus desejos extasiar
Zena Maciel

A nossa Amizade

Hoje, eu queria dar-te estrelas brilhantes e coloridas, ou o universo, porque és uma pessoa especial. Mas como to posso dar? Sou imensamente pequena perante a sua grandeza... Quantas coisas boas partilhamos? Nosso encontro não foi casual, estava escrito! E sabes porquê? Ao longo de várias vidas que a nossa amizade se vem fortalecendo. Mas o que importa é o presente, é hoje. E esse, somos nós e a nossa amizade. A amizade que te dedico é pura e verdadeira mas assim como eu, ela não é perfeita. Tem um pouco de egoista, necessita de cuidados, exige retribuição. espera a mesma atenção igual, carinhos e consideração. Espera a verdade sempre, mesmo que esta faça doer e não tolera a traição. Dentro destes principios, ofereço-ta sem restrinção. Sabes que podes contar contar sempre comigo. Que as estrelas brilhem com mais intensidade e se o notares, fica a saber que fui eu que pedi a um anjo para te as entregar. Dedico estas palavras, a ti, com carinho
Isabel

Mulher de 40



Sorriso bonito, olhar de quem sabe, um pouco da vida. Conheçe o amor, quem sabe a dor, guardada, escondida. Por experiência, sabe a diferença de amor e paixão, o que é verdadeiro, caso passageiro ou pura ilusão. É jovem bastante, mas não como antes, mas é tão bonita. Ela é uma mulher, que sabe o que quer e no amor acredita. Não quero saber da sua vida, sua história, nem do seu passado, mulher de quarenta eu, só quero ser o seu namorado. Não importa a idade, a felicidade, chega um dia. Se ela vive feliz ou espera, de novo, encontrar outro alguém. Se ela se distrai, uma lágrima cai, ao lembrar o passado. Seu olhar distante, vai por um instante a um tempo dourado... Retoca a maquilhagem, cheia de coragem, essa mulher bonita, que já não é menina, mas a todos fascina e a mim me conquista. Mulher de quarenta, eu só quero ser o seu namorado.
Roberto Carlos

quarta-feira, abril 19, 2006

Falar ou não Falar


Hoje acordei com uma dúvida... Porque deixamos tantas palavras por dizer? Quantas vezes vamos mesmo, mesmo a abrir a boca, e depois... Diáriamente optamos por não falar, não agir, coisas que deveriam ser ditas, acções que deveriam ser praticadas, actos que deveriam ser feitos. Ah, hoje não tenho tempo, fica para amanhã! Amanhã vou e faço! Mas vem o amanhã, e nada... E se o amanhã for tarde? Já pensou? Pois... não, né? Diga hoje ao seu amor que o ama. Diga hoje ao seu amigo que gosta dele. Diga hoje aos seus pais: Obrigado por me terem dado a vida, por me terem ensinado a pescar em vez de me darem o peixe... Não tenha vergonha de falar de amor nem tenha medo de se expôr ao dizer que tem saudades. Não tenha medo de fazer um carinho, de dar um beijo... Para que amanhã não tenha remorsos. Para que o amanhã não seja tarde...
Isabel

Alma Gêmea


Sempre ouvi a lenda, de que no fim de um arco iris está um pote de amor. Eu, pessoalmente não quero fortuna. Não quero carros, joias, casas, iates. Haverá melhor fortuna que encontrar a pessoa que nos completa de corpo e alma? Aquela pessoa, que sabe o que pretendemos, o que necessitamos, mesmo sem abrir a boca? Aquela pessoa que quando nos toca, nós faz esquecer que o mundo existe a nosso redor? Aquela pessoa que se alegra com as nossas vitorias e fica triste quando a vida não nos sorri. Aquela pessoa que além de companheiro nos ama como se o mundo acabasse amanhã... É isso mesmo, eu quero no fim do arco iris o meu tesouro. Eu quero a minha alma gêmea...
Isabel

Escolhas


Todos nós um dia temos que escolher. Entre o passado e o futuro. Que tipo de escolhas? Qualquer espécie... Escolhas profissionais, escolhas de amor, escolhas de amizades, escolha de côres, até às vezes escolher entre a vida e a morte. Quantas vezes balançamos? E porque tomamos esta ou aquela decisão? Nem sempre seguimos pela melhor estrada... Gostamos de ir por atalhos em vez de auto-estradas. Não será por estar marcado por Deus o nosso destino? Tanta volta que damos e inevitávelmente, sem explicação, para os rumos tomados. Eles acontecem e é tudo... Por isso eu não quero escolher mais entre o ontem e o amanhã! Viver preocupada com o que se passou ou irá passar! Escolho o presente e quero vivê-lo serenamente, aguardando o destino de Deus me reservou.
Isabel

terça-feira, abril 04, 2006

O Tempo


Para mim, não existe
maior verdade.
O tempo, tudo cura
tudo resolve.
O tempo é a solução mágica
para todos os problemas,
receios, angústias.
Amei demais este pensamento
por isso não resisti a deixa-lo
antes de ir de férias
para vocês divagarem.
Beijos
Isabel

Férias....


E amigos/as aqui vou eu... Maravilha. Paz. Sossego. Depois da Páscoa, cá estarei. Beijo a todos Isabel

Frase da Semana

Quantas fintas tentamos fazer à vida?
Quantas partidas ela nos prega?
O melhor é viver em harmonia, nós e a vida...

Vou aonde tu fores!


Uma frase de amor, delicada, sensivel, poetica, arrebatadora. Para mim a melhor frase de amor. Só dita por quem amar de corpo e alma. Este sentimento que circula nas veias, arrebata a razão e dita emoções, tornando-nos irracionais. mas afinal o amor é isso mesmo... É ser irracional, e eu, só assim o concebo. E quero ouvir, baixinho, junto ao meu ouvido: Vou aonde tu fores...
Isabel

Memórias



Todos nós as temos. Guardadas em algum baú ou numa velha caixa de cartão, no sotão ou, em outro canto bem escondido. Depois transformam-se em flashs, (medo de tocarmos nalgum pedaço de pano, papel, nalguma foto). Sim, estou a falar daquelas imagens que nos passam, quando estamos cansados da vida, da mesma rotina diária. Estou a falar daquelas cenas em que fechamos os olhos, por breves instantes, e viajamos. Quando instantes cinzentos se transformam em côr. E até porque não? Aqueles desejos de amor que tivémos e não sentimos mais... A mente tem esse poder! O de nos fazer sentir outra vez emoções já vividas. Pode-se viver de memórias? Pode sim. Eu vivo. Bom? Mau? Não interessa. É viver também. E afinal todos temos uma âncora pressa no passado.

Isabel

Livros


"Zoya"
História da condessa Zoya, prima do czar Nicolau da Rússia, que é obrigada a fugir do país após as grandes mudanças sociais e políticas do século 20, desde a revolução russa de 1917 até aos grandes acontecimentos dos anos 80, passando pelas duas grandes guerras mundiais e a queda da bolsa de valores de Nova York, em 1929.
Depois de fugir da rússia com a avó, Zoya casa-se com um oficial americano, nos EUA, mas perde tudo no final dos anos 20 e é obrigada a reconstruir sua vida. De dançarina de revista a representante da alta moda em Paris e nova York, nos anos 80, Zoya voltará a se defronta com o amor e com a morte. Aliás durante toda a sua vida assim foi. Um relato comovente que nos faz devorar página, atrás de página. Acabadito de ler...
Isabel

segunda-feira, abril 03, 2006

E o Céu aqui tão perto...


Por falar em saudades:
O meu canto predilecto: Peniche.
Tantas tardes passadas
no alto destas falésias,
onde o mar encontra o céu.
Por muitas vezes que vá,
é como sendo a primeira.
Sempre deslumbrada
pelo vento, pelo cheiro
pelas águas por vezes revoltas.
Como se fosse uma natureza
desenhada a caneta.

Saudades

Tenho saudades... Tenho saudades da criança que fui, feliz, traquinas... Saudades das brincadeiras com tachinhos e bonecas... Saudades dos cheiros que senti, da terra, dos pinheiros, do cheiro do rio que atravessa aquela pequena aldeia (que tanto amo) perdida no meio da Beira... Saudades de ao deitar ouvir uma pequena história, contada ou pela mãe ou pelo pai... Saudades das correrias na praia, atrás de um irmão mais velho... Saudades daqueles picnic's em Peniche... (uma vez esquecemos os talheres)... Saudades da infância perdida... Mas a vida continua... As recordações estão todas bem guardadas aqui junto ao meu coração. As más? Essas passam... Já não magoam... Já são indiferentes, porque nem me lembro delas.
Isabel

Ponto de Cruz


Mais um quadro feito por mim...
Orgulhosa? Claro...
E já agora deixo-vos um pouco da história do bordado. Sabem que vem de uma época muito antiga... Aproximadamente 500 DC. Espalhou-se pela Europa, Ásia e Estados Unidos. Mas foi principalmente em Inglaterra que floresceu este tipo de bordado. Foram encontrados

trabalhos datados de 1598.
Esta técnica é simples e proporciona uma agradavel actividade relaxante, não sobrecarrega a mente, podendo ao mesmo tempo ouvir música, conversar. Podemos interromper um trabalho e retorná-lo após meses, com o mesmo prazer de antes.

Dona


Sou eu aquela que te espera.
Teu carro tem um som especial, e eu posso reconhecê-lo entre mil. Os teus passos têm magia, são música para mim. A tua voz, é o sinal maior da minha felicidade, e ás vezes dona, nem precisas falar: eu "ouço" a tua tristeza. Se estás alegre, como fico feliz... Eu não sei o que é cheiro bom ou mau: só sei que o teu cheiro é o melhor do mundo.
De algumas presenças eu gosto, de outras não, mas a tua é o que dá vida aos meus movimentos. O teu olhar é um raio de luz, as tuas mãos sobre mim têm a leveza da paz.
E quando tu sais, dona, tudo é vazio outra vez... E eu volto a esperar sempre e sempre, pelo som do teu carro, pelos teus passos, pela tua voz, pelo teu cheiro, pelo teu olhar, pelas tuas mãos. E até sou feliz assim, dona. Eu sou aquela que te espera hoje e sempre. Eu sou a Pantufa.

domingo, abril 02, 2006

Life is...


O sonho comanda a vida.
E quando se deixa de sonhar...
Tudo se perde...
Não temos o direito de interromper
os sonhos de ninguem.
Nem alguém tem o direito
de nos fazer parar de sonhar...
Sonhemos...
Sonhemos...
Sempre...

Foi

"Foi o tempo que
dedicaste à tua rosa,
que fez a tua rosa
tão importante."



Antoine de Saint-Exupéry

Vozes...












"I Belong To You"
Resultado de quando duas vozes fabulosas se juntam.
Impressionante dueto de Eros Ramazzotti e Anastacia.
Lançado em Novembro de 2005
com versão em inglês e italiano.
Simplesmente espectacular
Para ouvir com atenção...

sábado, abril 01, 2006

As minhas Receitas


E como vou de férias, deixo-vos duas receitas de
chocolate seguidinhas. Afinal até estamos no mês da páscoa...
Bolo de Chocolate
2 chavenas farinha
2 chavenas açucar
1 chavena chocolate em pó
1 chavena de oleo
1 chavena de água a ferver
4 ovos grandes
1 colher sopa fermento em pó
Envolva todos os ingredientes batendo bem. No fim adicione a água a ferver. Unte a forma com margarina e polvilhe-a de farinha. Leve ao forno a cozer.
Pronto? Não perca tempo e corte uma fatia.
Hum... delicia..

As minhas Receitas



Mousse de chocolate.
Quem não gosta?

200 g chocolate em barra
3 c. sopa manteiga
6 ovos
6 c. sopa açucar em pó
2 c. sopa whisky

Corte o chocolate e derreta-o juntamente com a manteiga, em banho-maria, ou no microondas. Deixe arrefecer um pouco e junte as gemas e o whisky. Bata com a batedeira. À parte bata as claras em castelo firme e, aos poucos, junte o açucar, batendo até obter um meregue consistente. Misture os dois preparados cuidadosamente, sem bater.
Et voilá...

A Ti


Quando na tua vida chegares
a uma encruzilhada
e não saibas qual
o caminho a seguir, pará.
Senta-te. Respira como respiras-te
quando vieste ao mundo pela primeira vez.
Não penses... Ouve o teu coração.
Levanta-te.
Começa nova jornada.
Vai aonde o coração te levar...
Isabel

Inquietude

Quem entende o ser humano? Inconstante... irrequieto... nervoso...
Quando está aqui, quer estar ali. Está a chover? Devia estar um dia de sol radioso... Está frio? Quem me dera o verão, o calor, as praias, os picnic's no campo... Estamos no verão? Que horror, esta temperatura é insuportável... melgas... mosquitos... Suor a escorrer... Meu rico inverno! A tranquilidade de uma tarde passada a ver um bom filme, embrulhado numa manta fofinha... Temos um amor na vida? Ah, os que estão sózinhos é que estão bem! Não aturam birras... más respostas... não dão satisfações a ninguém... Estamos sem companheiro/a? Que solidão... sós... desamparados... a chorar para que um novo amor apareça...
E assim vamos vivendo até à próxima controvérsia.
Engraçado não é?
Isabel

Olá Abril


Bem vindo ao quarto mês do ano!
A entrar em todo o esplendor, convencido da sua importância... Ele trás-nos a revolução, a liberdade. (Para os mais novos é só mais um feriado, né?) Este ano trás também, a páscoa, com as suas amêndoas, os coelhinhos...
Começa logo com o dia das mentiras, o primeiro... (Mas nós não mentimos o ano todo??)
Eu, cá por mim, ainda acredito no coelhinho da páscoa...
E antes de ir embora deixo-vos um provérbio:
"Em Abril, águas mil"
Isabel